COVID-19: Estudo aponta predominância da variante gama no Sul de Minas

O avanço do COVID-19 no Sul de Minas

Por Jornalista Alair de Almeida, Editor e Diretor do Jornal Região Sul em 16/06/2021 às 10:39:56
Pampulha, Belo Horizonte...

Pampulha, Belo Horizonte...

Um estudo publicado aponta que nas Regionais de Saúde do Sul de Minas há a predominância da variante gama, também conhecida como P1 e encontrada inicialmente em Manaus. O estudo foi realizado em todas as Regionais de Saúde do estado pela Universidade Federal de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) e Fundação Ezequiel Dias (Funed) e os dados foram repassados para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

As datas de coleta foram de 1º de março até o dia 12 de abril deste ano. Com 74,12%, a variante mais frequente no Estado de Minas Gerais foi a gama (P1). Dos 853 municípios de Minas Gerais, 282 foram amostrados. Foram caracterizadas 1.198 amostras, sendo que 175 foram coletadas no Sul de Minas.

Na Regional de Saúde de Alfenas foram coletadas 33 amostras. Em 81,82% das amostras foi encontrada a presença da variante gama. Na Regional de Passos (MG), 21 das 27 amostras indicaram a presença da variante gama, isto corresponde a 77,78%.

VÍDEO: Conheça 4 variantes do novo coronavírus


Outras variantes

O estudo também aponta a presença da variante zeta (P2), Alfa (B.1.1.7) e outras ainda não identificadas. Na Regional de Alfenas, as amostras apresentaram 6,06% da variante zeta e 12,12% de outras variantes. Não foi encontrada a presença da variante alfa.

Na Regional de Passos, foram detectados 11,11% da variante zeta, 3,70% da variante alfa e 7,41% das outras variantes não identificadas. Na Regional de Pouso Alegre, a variante zeta foi encontrada em 18,84% das amostras. A alfa em 1,45% e as outras 2,90%.

Na Regional de Varginha, as amostras apresentaram 4,35% da variante zeta, 2,17% da variante alfa e 4,35% de outras variantes.

Segundo o estudo, trata-se de um estudo em andamento e as amostras classificadas como "outras variantes" serão sequenciadas o genoma completo. Os pesquisadores recomendam que as providências cabíveis sejam tomadas pelos órgãos estaduais e federais competentes no controle da dispersão das variantes da Covid-1Segundo o professor de epidemiologia da Unifenas, estas pesquisas são fundamentais para compreender a pandemia e o comportamento do vírus.

"É como se a gente pudesse conhecer a identidade do vírus e entender melhor como acontece a propagação e o espalhamento da doença em diferentes regiões", explicou Vinício Rocha.

O professor também falou sobre e eficácia das vacinas contra as variantes.

"Tanto a variante gama como a alfa mostram pra gente que elas conseguem ser contidas pelas vacinas, até o momento. Entretanto elas têm maior transmissibilidade e, sobretudo a gama, tem um escape da nossa defesa e pode levar a indivíduos contaminados a reinfecção", afirmou.

Fonte: G1 Sul de Minas E SMS das Prefeituras

Comunicar erro
Casa Coelho

Comentários

Novato