Produtores de Queijos do Sul de Minas comemoram premiação em Mundial na França: 'Copa do Mundo'

Queijos do Sul de Minas, ganham Prêmios na França no Mundial dos Queijos, a Copa do Mundo dos Queijos...

Por Jornalista Alair de Almeida, Editor e Diretor do Jornal Região Sul em 17/09/2021 às 15:55:47
Montanhas de Minas, os melhores Queijos do Mundo

Montanhas de Minas, os melhores Queijos do Mundo


Produtores de queijos do Sul de MG comemoram premiação em mundial na França: 'Copa do Mundo'
Divulgação / SertãoBrás

Foram premiados queijos artesanais produzidos em Cruzília, Alagoa, Carrancas e Delfinópolis. Das 11 medalhas conquistadas, quatro foram de prata, quatro de bronze, duas de ouro e uma super ouro, conquistada pelo "Queijo Santo Casamenteiro", produzido em Cruzília.


MUNDIAL DE


QUEIJOS DA


FRANÇA TEM


VENCEDORES DO


SUL DE MINAS


Cruzília

  • Queijo Santa Casamenteiro - Super Ouro
  • Queijo a Lenda - Ouro
  • Queijo Manto da Serra - Prata
  • Queijo Serra da Mantiqueira - Bronze

Alagoa

  • Queijo Artesanal Fazenda Bela Vista - Renato de Souza e Thaylane - Ouro
  • Queijo Alagoa Fumacê - Márcio Martins de Barros - Prata
  • Queijo Araucária - Batista Dias Pinto - Prata
  • Queijo Garrafão - Rita de Cássia - Prata
  • Queijo Art Alagoa - Leandro Siqueira - Bronze

Carrancas

  • Queijo Bicas da Serra - José Orlando Ferreira Jr. - Bronze

Delfinópolis

  • Queijo Marandu - Cláudia Mendonça Camargo - Bronze

Queijo Santo Casamenteiro, de Cruzília, ganhou medalha Super Ouro em mundial na França — Foto: Divulgação / Laticínios Cruzília

Queijo Santo Casamenteiro, de Cruzília, ganhou medalha Super Ouro em mundial na França — Foto: Divulgação / Laticínios Cruzília

Premiado com a medalha Super Ouro, a maior do concurso, o Santo Casamenteiro tem a fama de levar ao altar as moças que preparam ou provam a iguaria e já foi premiado anteriormente em concursos internacionais. Similar a um bolo de casamento, leva em sua receita a base do Queijo Azul de Minas Cruzília, e cada unidade é decorada uma a uma, em um processo manual que tem como toque final um recheio equilibrado com damasco, nozes e cream cheese.

"Para nosso time, está sendo como ganhar uma Copa do Mundo, porque estamos posicionados entre os melhores queijos de todo o globo e seguimos sendo a queijaria nacional mais agraciada internacionalmente", disse via assessoria de imprensa Edson Martins, COO da UltraCheese, proprietária da marca.

Queijo Santo Casamenteiro, de Cruzília, tem a fama de levar ao altar as moças que provam a iguaria — Foto: Divulgação / Laticínios Cruzília

Queijo Santo Casamenteiro, de Cruzília, tem a fama de levar ao altar as moças que provam a iguaria — Foto: Divulgação / Laticínios Cruzília

Já o queijo A Lenda, que ganhou medalha de ouro, originou de um frasco de fermento encontrado dentro de um cofre em 2009, numa antiga fábrica adquirida pela Cruzília, envolto por um pergaminho dinamarquês que continha a receita de um queijo. Ele evoluiu com a ajuda dos mestres queijeiros da marca e chegou ao produto conhecido atualmente, um queijo de sabor marcante e textura única, levemente adocicado, com casca firme e interior deliciosamente macio.

Alagoa arremata cinco


medalhas

Uma das cidades mais tradicionais na fabricação do queijo artesanal no Sul de Minas, Alagoa foi premiada com cinco medalhas no concurso realizado na França. Ao todo, os produtores da cidade conquistaram uma medalha de ouro, três de prata e uma de bronze.

O Queijo d´Alagoa, representado pelo empresário Osvaldo Martins de Barros Filho, ganhou duas medalhas de prata com os queijos artesanais Fumacê e o Araucária.

Queijo Alagoa Fumacê ganha medalha de prata em mundial da França — Foto: Arquivo Pessoal

Queijo Alagoa Fumacê ganha medalha de prata em mundial da França — Foto: Arquivo Pessoal

"Em 2017 a Queijo D"Alagoa-MG foi além das montanhas mineiras, rompeu as fronteiras e recebeu o primeiro prêmio internacional. Em 2019 pela segunda vez (medalha de prata com o Queijo Alagoa Pequena) e agora em 2021 pela terceira vez recebe um prêmio na França: duas medalhas de Prata", disse Osvaldo.

O Queijo Alagoa Fumacê é produzido pelos produtores Márcio Martins de Barros e sua esposa, Dirce Martins de Barros, que é mestre queijeira. O queijo é defumado e maturado por 30 dias.

Já o Queijo Araucária é produzido pelo produtor Batista Dias Pinto, o 'seo' Batistinha. O queijo é envolto com uma espécie de caldo de pinhão e depois maturado por 30 dias. Esse queijo agora só vai estar disponível em 2022 por ser um queijo de lote restrito. Conforme Osvaldo, a cada queijo, uma araucária é plantada, já que a espécie está em extinção.

Produtores de Alagoa ganham medalhas em concurso mundial na França — Foto: Reprodução / Instagram

Produtores de Alagoa ganham medalhas em concurso mundial na França — Foto: Reprodução / Instagram

Os prêmios fazem com que os produtores da região procurem cursos para se especializarem ainda mais.

"Para me especializar ainda mais em afinação de queijo estou fazendo um curso de maturação na Mons Formation, uma instituição especialista em treinar e capacitar Maturadores de queijo", contou Osvaldo ao G1.

O concurso

O Brasil conquistou 57 medalhas no concurso mundial de queijos na França. Com o quadro, o país ficou atrás apenas dos franceses em quantidade de medalhas.

O Mondial du Fromage et des Produits Laitiers de Tours é organizado pela Guilde Internationale des Fromagers e acontece de 12 a 14 de setembro. O evento, que está em sua 5° edição, promove premiações, palestras e encontros de profissionais do setor.

Minas Gerais conquistou a maioria das 57 medalhas brasileiras na França — Foto: Divulgação / SertãoBrás

Minas Gerais conquistou a maioria das 57 medalhas brasileiras na França — Foto: Divulgação / SertãoBrás

Os produtos brasileiros foram enviados ao exterior com a organização da SerTãoBras, uma associação voltada para trabalhadores rurais. Segundo a instituição, concorreram 183 queijos de Minas Gerais, São Paulo, Pará, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná.

"A intenção da SertãoBras em levar esse queijo para esse concurso é qualificar a qualidade de produção que a gente tem e fazer com que os brasileiros entendam que o nosso produto é tão bom quanto o importado e que a gente está tendo uma criatividade muito grande na nossa produção, tanto que consegue chegar em um concurso mundial como esse e receber entre todos esses que participaram, com mais de 900 queijos, receber 57 medalhas, isso valoriza a nossa produção, incentivar o bom consumo do brasileiro, que as pessoas entendam que os nossos produtos também têm um valor agregado muito alto", disse Flávia Rogoski, diretora administrativa da SertãoBrás.

Segundo a representante da associação, esse tipo de premiação faz com que toda a cadeia produtiva do queijo artesanal possa melhorar.

"O que a gente enxerga depois desse tipo de premiação é toda uma melhora na região onde esses queijos são produzidos, porque gera mais interesse, gera notícia, melhora de toda forma a situação desses produtores, às vezes são produtores que já têm uma certa visibilidade, às vezes são produtores novos e que ganham uma visibilidade e que traz melhora para todos os lados, aumenta a geração de empregos, consegue ter uma valorização real do seu produto, consegue cobrar o preço que ele realmente vale", concluiu.

Fonte: G1 Sul de Minas e Produtores de Queijos do Sul de Minas

Comunicar erro

Comentários