Como as casas e cidades inteligentes estão mudando o modo de viver das pessoas

Por Repórter Yuri Almeida, acadêmico de Gastronomia da UNIFENAS, Historiador pela UNIFAL em 23/11/2021 às 13:44:57

Como as

casas e cidades

inteligentes

estão mudando

o modo de viver

das pessoas


Com comandos simples, é possível controlar uma casa inteira ou gerenciar toda uma cidade por meio da tecnologia

Fonte: Banco de Imagens Inatel n- Por Bruno de Oliveira -Jornalista

Fachada do prédio principal do campus – Foto de Campus do Inatel, Santa Rita do Sapucaí - Tripadvisor

Você já pensou controlar tudo o que deseja com a palma da sua mão? Ou melhor, sem fazer muito esforço, apenas dando comandos por voz? Isso se tornou cada vez mais fácil com o avanço tecnológico dos últimos anos, que permitiu que residências, estabelecimentos comerciais e até mesmo cidades inteiras pudessem funcionar sem grandes esforços, apenas por meio de comandos pré-determinados.

Algo que parecia difícil há algumas décadas, hoje é rotina na vida de muita gente. É possível descobrir a previsão do tempo, ligar ou desligar um aparelho de som, ajustar a iluminação de ambientes e até mesmo esclarecer dúvidas sem sequer ter que abrir um livro, utilizando o apoio de um dispositivo móvel. O fato é que tanto as cidades como os imóveis passaram a ter o auxílio da inteligência artificial, que pode ser utilizada em benefício de todos.


No caso das smart cities, ou cidades inteligentes, a tecnologia é utilizada com o objetivo de resolver problemas comuns na vida do cidadão. Com base em dispositivos de Internet das Coisas, ou Internet Of Things (IoT), como é conhecida em inglês, é possível gerenciar estruturas e coletar dados que possam tornar a cidade mais funcional. Um exemplo são os aplicativos de localização em tempo real dos ônibus, que permitem que o passageiro se programe para evitar atrasos.


Vestibular - Inatel


Dessa forma, é possível gerenciar problemas como trânsito, limpeza e segurança a partir da tecnologia em grandes cidades. Segundo o coordenador do Laboratório de Information and Communications Technologies do Inatel, Antônio Marcos Alberti, a mudança tecnológica deixou de ser centralizada apenas nas grandes instituições.

Projeto Estacionamento Inteligente e Smart Home.

"Essa mudança de tecnologia permite que as pessoas participem mais. E isso faz com que a gente tenha um modelo não mais com apenas três pás nessa hélice, que seria a academia, ou as universidades, os órgãos públicos e o cidadão. Você passa a ter startups, você passa a ter agentes de transformação, você passa a ter até mesmo inteligência artificial nesse processo de mover a transformação", conta.

Ele explica que é devido a essa mudança que as novas tecnologias se preocupam mais com o cidadão. Um exemplo é o desenvolvimento de aplicativos e a melhora na conectividade via internet para que o cidadão participe das novidades. E, no Brasil, o conceito de cidades inteligentes está mais próximo do que se imagina. O coordenador afirma ainda que o número de smart cities dobra de quantidade a cada dois anos.

"O Brasil já está com vários projetos de cidades inteligentes que estão incluindo muitas tecnologias interessantes, inclusive inserindo essa tecnologia nos processos administrativos, públicos e incluindo cidadãos. Então, tem vários exemplos de cidades inteligentes acontecendo", avalia.

E, com o avanço da conectividade 5G, a expectativa é que as cidades fiquem cada vez mais tecnológicas e autônomas. No início de novembro, o Brasil anunciou o leilão das faixas de transmissão de dados para operadoras de telecomunicações e arrecadou R$ 7,1 bilhões com as empresas.

Fonte: G1 Sul de Minas e Prefeituras Municipais e INATEL SRS

Comunicar erro

Comentários