Peritos de BH vão a Capitólio para apurar as causas da queda do paredão que matou 10 pessoas

Dez Mortes, 27 feridos em Capitólio, na queda de Pedra em cima de três embarcações

Por Jornalista Alair de Almeida, Editor e Diretor do Jornal Região Sul em 12/01/2022 às 17:30:48

MP Instaura

inquérito

sobre o

acidente de

Capitólio que

matou dez pessoas e feriu 27


Os três peritos criminais irão para o local do acidente na quinta-feira (13). Um deles é especialista em geologia. Pedra desliza sobre turistas em Capitólio

Capitólio - MG! Um guia completo com tudo para a sua viagem! - Melhores Destinos
Capitólio - MG! Um guia completo com tudo para a sua viagem! - Melhores Destinos

A Polícia Civil vai mandar, nesta quinta-feira (13), três peritos criminais de Belo Horizonte a Capitólio para apurar as causas da queda do paredão que matou 10 pessoas, no último sábado (8).

Um deles é especialista em geologia.

A previsão é que os profissionais saiam de BH na manhã desta quinta.


Reprodução
Momento em que a rocha caia sobre os dois barcos, um deles com dez pessoas teve todos mortos

Na terça-feira (11), o delegado regional de Passos, Marcos Pimenta, explicou que o trabalho será feito em conjunto com a Marinha, que irá procurar e resgatar os materiais da lancha. Mas a Polícia Civil também segue com as investigações.

"(...) Queremos não procurar culpados, mas exaurir todo e qualquer questionamento sobre o fato interno. Se, por ventura, no final das investigações, a Polícia Civil comprovar que houve algum fato de terceiros, uma ação humana, essa pessoa será responsabilizada", afirmou ao g1 Sul de Minas.

Polícia Civil segue na
investigação para apurar
causas do acidente em Capitólio.

Ainda não se sabe o que
provocou o acidente.

O prefeito de Capitólio, Cristiano Geraldo da Silva (Progressista), disse em entrevista coletiva no domingo (9) que nunca havia ocorrido acidente como este e, por isso, não há um estudo ou análise geológica sobre os paredões.

No mesmo dia, o prefeito já tinha anunciado o fechamento do turismo aquático na cidade. Segundo ele, estão fechadas as entradas dos cânions e também do local conhecido como Cascatinha.

Também no domingo, Furnas Centrais Elétricas divulgou uma nota sobre o acidente. A concessionária lamentou as mortes e disse se solidarizar com as famílias. Furnas esclareceu ainda que "utiliza a água do lago para a geração de energia elétrica e que a fiscalização dos demais usos, incluindo o turismo, competem à Marinha e aos poderes públicos locais".

Turismo em Minas Gerais

MP pede prazo de 5 dias

para que a prefeitura responda

Após instaurar inquérito civil para apurar os fatos ligados à tragédia em Capitólio, o Ministério Público de Minas Gerais expediu ofício ao município solicitando informações no prazo de 5 dias.

Em uma publicação nas redes sociais do órgão, o MPMG informou que "requer esclarecimentos para saber se município dispunha de informações acerca do risco existente para os turistas, tanto na região dos cânions quanto em outros locais, em relação a desabamento de rochas/deslizamentos ou a inundações bruscas/"cabeças d"águas".

O MPMG disse que aguarda informações se existia mapeamento e identificação das áreas consideradas de risco, "especialmente em relação a deslizamentos/desabamentos e inundações bruscas, e plano emergencial em situação de desastre."

O Mar de Minas: aproveite Capitólio em um roteiro de dois dias

Passageiros de uma das lanchas tentaram avisar sobre o deslizamento da pedra segundos antes de ela cair

Governador Romeu Zema

diz que cânions de Capitólio

passarão por análise de geólogos

Na manhã de segunda, outras quatro pessoas também foram identificadas: Geovany Teixeira da Silva, de 37 anos; Geovany Gabriel Oliveira da Silva, 14 anos, Thiago Teixeira da Silva Nascimento, 35 anos e o piloto da lancha Rodrigo Alves dos Anjos, 40 anos.

Geovany Teixeira e Geovany Gabriel eram pai e filho. Thiago era primo de Geovany Teixeira. Todas as vítimas do acidente estavam na mesma lancha que tinha o nome de "Jesus", segundo o delegado regional da Polícia Civil, Marcos Pimenta.

Eles estavam hospedados em um rancho em São José da Barra (MG) e eram familiares e amigos. O dono da pousada era proprietário da lancha e também parente das vítimas. O piloto era funcionário dele, de acordo com informações da polícia.


As vítimas da tragédia em Capitólio:


Julio Borges Antunes, 68 anos, natural de Alpinópolis (MG). Foi enterrado em São José da Barra.

Maycon Douglas de Osti, 24 anos, nascido em Campinas. Foi enterrado em Sumaré.

Camila da Silva Machado, 18 anos, nascida em Paulínia. Foi enterrada em Sumaré

Sebastião Teixeira da Silva, 64 anos, natural de Anhumas. Será enterrado em Serrania.

Marlene Augusta Teixeira da Silva, 57 anos, natural de Itaú de Minas. Foi enterrada em Serrania.

Geovany Teixeira da Silva, 37 anos, natural de Itaú de Minas. Foi enterrado em Serrania.

Geovany Gabriel Oliveira da Silva, 14 anos, natural de Alfenas. Foi enterrado em Serrania

Thiago Teixeira da Silva Nascimento, 35 anos, nascido em Passos. Foi enterrado em São José da Barra.

Rodrigo Alves dos Anjos, 40 anos, nascido em Betim (MG). Ele era o piloto da lancha.

Carmem Pinheiro da Silva, de 43 anos, natural de Cajamar (SP)


Feridos

Segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, 32 pessoas foram atendidas por causa do acidente, a maioria com ferimentos leves.

Feridos em acidente em Capitólio (MG) foram levados para cidades próximas; veja no infográfico


Fonte: G1 Sul de Minas e Ministério Público

Comunicar erro
hospital Lavras

Comentários

novato