Operação Babilônia da Polícia Civil prende suspeitos de tráfico e lavagem de dinheiro em Minas

Operação Babilônia: Apreende suspeitos de tráfico e lavagem de dinheiro em Minas

Por Da Redação em 23/02/2021 às 14:09:07

A Polícia Civil prendeu dez pessoas, nesta terça-feira (23), durante a Operação Babilônia, suspeitas de envolvimento com o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em Belo Horizonte e Contagem, na Região Metropolitana; e em Teófilo Otoni, Itaobim e Itinga, na Região do Vale do Jequitinhonha.

Treze mandados de prisão e 23 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos. Foram 14 de busca e apreensão em Belo Horizonte, 1 em Contagem, 1 em Itinga e 7 em Itaobim. Dez presos estavam na capital mineira e 3, no interior.

A polícia informou ainda que 87 veículos em diversos estados do Brasil seriam apreendidos – quase todos em nome de laranjas –, mas, até as 10h50, apenas 15 tinham sido recolhidos.

Suspeito foi preso em Belo Horizonte — Foto: Reprodução/TV Globo

Suspeito foi preso em Belo Horizonte — Foto: Reprodução/TV Globo

De acordo o Departamento Estadual de Combate ao Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil, a organização criminosa era voltada para a prática do tráfico, atuando no abastecimento de mercadorias ilícitas em Belo Horizonte para financiar drogas, ocultar e lavar bens e dinheiro.

"O crime é voltado para o atacado de drogas. A organização criminosa tem o hábito de remeter carretas de droga na fronteira dos países fronteiriços que produzem a droga fora do Brasil. (...) Eles tentam dar licitude no dinheiro que vem [do tráfico de drogas]. Então esse crime de lavagem de dinheiro nos permite apreender e bloquear esses valores no sentido de dificultar a vida dos criminosos", explica o delegado Daniel Araújo, responsável pelas investigações, que, segundo ele, começaram há seis meses.

Ainda de acordo com ele, nesta terça, dois líderes foram presos durante a operação: um em Belo Horizonte e outro em Itaobim. O de BH, segundo o delegado, era o operador financeiro porque era o elo entre os mundos lícito e ilícito, e movimentava o dinheiro da quadrilha.

"Ele recebia lucro do tráfico de drogas, adquiria fazendas, veículos. A droga chegava em BH e ele era o responsável em dar entrada do dinheiro da droga vendida em BH", diz.

Os investigadores da Polícia Civil falaram que o bando tem quatro empresas em Minas Gerais e outras três em cidades que fazem fronteira com Paraguai e Bolívia usadas de fachada para movimentar o dinheiro ganhado por meio do tráfico.

A operação contou com 160 policiais civis e 12 policiais rodoviários federais.

Fonte: G1 Brasil

Comunicar erro
Casa Coelho

Comentários

Novato